A Serpente, A Tentação e as Consequências da Queda do Homem

Homem e Mulher, Adão e Eva, estão felizes, completos, eles conhecem um ao outro. Estão no Gan Éden, o Jardim de Delícias, em paz e segurança.

Mas diferente do que pensam, eles não estão sozinhos. Há uma outra criatura que vem espionando o primeiro casal humano. E ela está cheia de inveja e furor.

Embora tenhamos uma imagem da serpente como uma criatura rastejante, até aquele momento no Bereshit, ela era ereta, falava, e tinha capacidade de desenvolver uma comunicação de alta complexidade.

Alguns comentaristas da Torá afirmam que a serpente, no Princípio, poderia ter uma forma semelhante a um humanoide. Mas isso é apenas uma especulação.

a-serpente-no-jardim-tenta-eva

O que sabemos é que a nachash (a serpente), se apresenta para Chava (lê-se ravá, que é Eva em hebraico) com uma linguagem bastante sedutora.

A nachash ataca o conceito, estabelecido pelo Eterno, de Limitaç
ão:

וְהַנָּחָשׁ֙ הָיָ֣ה עָר֔וּם מִכֹּל֙ חַיַּ֣ת הַשָּׂדֶ֔ה אֲשֶׁ֥ר עָשָׂ֖ה יְהוָ֣ה אֱלֹהִ֑ים וַיֹּ֙אמֶר֙ אֶל־הָ֣אִשָּׁ֔ה אַ֚ף כִּֽי־אָמַ֣ר אֱלֹהִ֔ים לֹ֣א תֹֽאכְל֔וּ מִכֹּ֖ל עֵ֥ץ הַגָּֽן׃

Ora, a serpente era mais astuta que todas as alimárias do campo que o SENHOR Deus tinha feito. E esta disse à mulher: É assim que Deus disse: Não comereis de toda a árvore do jardim?
Gênesis 3:1

A serpente queria injetar a sua mente em Eva. E na mente da nachash, limite é algo pernicioso. Limites vão contra os seus desejos, e ela quer satisfazer todos eles, custe o que custar.

Na verdade, Deus permitiu que o homem e a mulher comessem de todas as árvores do jardim, com exceção de uma árvore apenas, que poderia trazer morte ao mundo.

É esse LIMITE que a serpente ABOMINA! Se o homem não pode ter tudo o que deseja, então ele não tem nada!

O fato de que existia uma única limitação, mesmo que fosse para proteger o homem da morte, é o que estimula a nachash a agir contra a criação.

A QUEDA E SUAS CONSEQUÊNCIAS

Quando a nachash consegue a atenção de Chava, ela começa um diálogo de sedução:

כִּ֚י יֹדֵ֣עַ אֱלֹהִ֔ים כִּ֗י בְּיוֹם֙ אֲכָלְכֶ֣ם מִמֶּ֔נּוּ וְנִפְקְח֖וּ עֵֽינֵיכֶ֑ם וִהְיִיתֶם֙ כֵּֽאלֹהִ֔ים יֹדְעֵ֖י ט֥וֹב וָרָֽע׃

Porque Deus sabe que no dia em que dele comerdes se abrirão os vossos olhos, e sereis como Deus, sabendo o bem e o mal.
Gênesis 3:5

A palavra-chave para o entendimento deste pasuk, na minha opinião, é וִהְיִיתֶם֙ כֵּֽאלֹהִ֔יםviytem kelohiym“, e sereis como Deus.

A serpente parecia conhecer muito bem o estado psicológico de Eva. E usa de forma astuta as suas palavras. Palavras que aparentemente tem lógica, na visão da mulher. O que o texto e essas palavras nos revelam da psicologia de Eva (Chava)?

E sereis como Deus” – são termos decisivos que levaram Eva a sucumbir diante dos argumentos da nachash.

Se perguntarmos, havia alguma coisa que faltasse aquele feliz casal, no jardim de delícias? Estaria Eva em busca de ser igual a Deus, no sentido de ter PODER, ser PODEROSA?

Hum… Sim e Não.

O que significaria Ser Igual a Deus na visão de Eva?

Com certeza significaria poder fazer o mesmo, que ela sabia até aquele ponto na história, que Deus tinha a capacidade de fazer.

E o que Eva tinha em mente sobre a capacidade Divina? Como ela via o agir de Deus?

Bom, Deus tinha, até aquele momento, em resumo, criado plantas, animais, e o Ser Humano. Ou seja, Deus tinha criado VIDA!

E o que faltava a Eva até aquele momento? O cumprimento da promessa feita no pérek álef (capítulo 1) do Bereshit (Gênesis):

E Deus os abençoou, e Deus lhes disse: Frutificai e multiplicai-vos, e enchei a terra
Gênesis 1:28

Esta era uma promessa que só poderia ser cumprida por meio de filhos. Eva teria que “criar” vida. Certamente era algo que ela ansiosamente esperava, mas por motivos desconhecidos não tinha acontecido até aquele momento.multiplicarei as dores do teu parto

Então “Sereis como Deus“, significava, ao menos pra Eva, ter a capacidade semelhante ao Altíssimo de “criar” vida, de dar à luz filhos.

E a serpente, “haya arum mikol hayat asher asah Adonai” a mais astuta de todos os animais que o SENHOR DEUS havia feito, usa essa “necessidade emocional” de Chava, contra ela mesma.

Esse fato nos mostra que as punições recebidas pelo homem e pela mulher, após a queda, não partem de um “vácuo de ações”. Deus não os pune indiscriminadamente.

Há uma correlação entre o pecado e a punição, para que ambos pudessem aprender que seus desejos e ações tem consequências.

À mulher foi intensificada a dor de parto:

אֶֽל־הָאִשָּׁ֣ה אָמַ֗ר הַרְבָּ֤ה אַרְבֶּה֙ עִצְּבוֹנֵ֣ךְ וְהֵֽרֹנֵ֔ךְ בְּעֶ֖צֶב תֵּֽלְדִ֣י בָנִ֑ים

E à mulher disse: Multiplicarei grandemente a tua dor, e a tua conceição; com dor darás à luz filhos;
Gênesis 3:16

A palavra בְּעֶ֖צֶבbeetsev“, vem da raiz עצב atsav, que significa “dor, estar com dor“, mas que também significa “formar, fazer, criar, dar forma“.

De fato Eva estava recebendo o resultado do seu desejo de se tornar “como Deus“, a capacidade de “criar” vida, mas não sem DOR.

Mas como assim? Criar a vida traria algum tipo de dor a Deus?

Por toda a Torá, e nos livros da Tanach (da Bíblia), nós vemos quanta “DOR” a criação trouxe para o Criador. Uma “DOR” tão intensa no Seu coração, que Ele se “Arrependeu de ter criado o homem“.

E ainda uma dor maior por ter que destruir tudo o que havia criado em um Dilúvio!

Poderíamos citar várias passagens, onde o Eterno demonstra a Sua dor com o Seu povo, Israel, quando este se envolveu com Avodah Zarah, Idolatria. O que fez com que o Eterno tivesse que os entregar nas mãos de seus inimigos.

Quanta dor de ver os Seus filhos sendo destruídos pelos seus pecados!

O próprio Mashiach, Yeshua, o Rei e Messias, não suportando a DOR de ver os Seus filhos amados em uma cegueira espiritual tão grande, chora compassivamente, desoladamente:

E, quando ia chegando, vendo a cidade, chorou sobre ela,
Dizendo: Ah! se tu conhecesses também, ao menos neste teu dia, o que à tua paz pertence! Mas agora isto está encoberto aos teus olhos.
Lucas 19:41,42

Eva não podia nem sequer imaginar o que é “ser como Deus“. Ele vê e sabe de coisas que o homem jamais suportaria. O homem jamais entenderia.

Muitas vezes queremos “ser como Deus“, com nossas soluções e julgamentos simplistas sobre o sofrimento no mundo. Quem não já se perguntou do porquê de tanto sofrimento?

Temos a tendência de compreender a nossa realidade por meio da teoria da “causa e efeito“. Os amigos de Jó, no livro de Jó, tinham essa mesma perspectiva. Mas Deus mostrou que somente Ele sabe dos porquês da vida.

Com a sua voz troveja Deus maravilhosamente; faz grandes coisas, que nós não podemos compreender.
Jó 37:5

A PUNIÇÃO DO HOMEM

Adam haRishon (o primeiro Adão), tinha sido avisado de que no dia em que comesse da Árvore do Conhecimento do Bem e do Mal, ele morreria.

Entretanto, analisando mais de perto as palavras originais em hebraico, vemos uma construção interessante neste texto:

וּמֵעֵ֗ץ הַדַּ֙עַת֙ ט֣וֹב וָרָ֔ע לֹ֥א תֹאכַ֖ל מִמֶּ֑נּוּ כִּ֗י בְּי֛וֹם אֲכָלְךָ֥ מִמֶּ֖נּוּ מ֥וֹת תָּמֽוּת׃

Mas da árvore do conhecimento do bem e do mal, dela não comerás; porque no dia em que dela comeres, certamente morrerás.
Gênesis 2:17

Na verdcom suor do teu rosto comeras o teu pãoade, os termos מ֥וֹת תָּמֽוּתmot tamut“, “certamente morrerás” constituem em hebraico uma figura de linguagem chamada de paralelismo, onde se repetem palavras com mais ou menos o mesmo sentido.

Mot Tamut literalmente significam “morrendo morrerás“, ou seja o homem estaria merecendo morrer.

Algo que não ocorre imediatamente, pela misericórdia e graça de Deus. Mas há consequências que apontam para uma morte espiritual imediata.

 

O Senhor Deus, pois, o lançou fora do jardim do Éden, para lavrar a terra de que fora tomado.

Gênesis 3:23

A expulsão do homem do Gan Éden, o Jardim do Éden, é simbolismo muito forte da morte – expulso do jardim de volta para a terra, para trabalhar a terra de que fora tomado uma vez que “dela foste tomado; porquanto és pó e em pó te tornarás“. Gênesis 3:19

Veja que no princípio o homem recebeu duas funções do Criador:

  1. Lavrar a terra; e
  2. Guardar o Jardim.

E por causa do seu pecado, o trabalho que deveria ser fonte de prazer para Adão, agora se torna símbolo de dificuldade e morte. Ele é transferido de local, para trabalhar a terra fora do Jardim de Delícias.

E por ter falhado em guardar o jardim (ão impediu que Eva comesse do fruto proibido) – uma espada (símbolo da Palavra de Deus) agora guarda o caminho da Árvore da Vida.

E havendo lançado fora o homem, pôs querubins ao oriente do jardim do Éden, e uma espada inflamada que andava ao redor, para guardar o caminho da árvore da vida.
Gênesis 3:24

Agora para se obter a Vida Eterna tem que primeiro passar pela espada, pela Palavra de Deus, pela Torá do Eterno – que é símbolo de Yeshua haMashiach – que é a Palavra viva e encarnada.

E quanto mais estudamos a Palavra de Deus, mais nos alimentamos da Árvore da Vida, e mais conhecemos o nosso Mashiach, o nosso Messias, que Deu a Sua própria vida para que recebêssemos a Vida Eterna.

O CASTIGO ETERNO DA SERPENTE

A nachash mostrou o quanto é incorrigível, e a sua forma foi reduzida a algo que nunca mais lembraria como era quando foi criada.

Sua imagem reflete apenas o aspecto animal, sem nenhuma semelhança mais elevada do que os outros animais – como a capacidade de articular a fala de alto nível.

Um dia, Deus restaurará a natureza e o paraíso na terra. Voltaremos a viver em um Jardim de Delícias novamente, e o sofrimento terá um fim. Mas a serpente, o antigo dragão, não terá descanso na sua condenação.

O lobo e o cordeiro se apascentarão juntos, e o leão comerá palha como o boi; e pó será a comida da serpente…
Isaías 65:25

Sobre o autor | Website

ישראל סילבה Casado com Ana Paula Curty, papai da Sarah Curty, formado em Hebraico Bíblico, Geografia Bíblica, e Contexto Judaico do Novo Testamento, é Especialista em Estudos da Bíblia Hebraica, certificado pelo Israel Institute of Biblical Studies da Universidade Hebraica de Jerusalém; Apocalipsismo Judaico, pela Keets alMayim.

Receba Estudos Bíblicos do Original Hebraico Bíblico!

100% livre de spam.